Tecnologia hidráulica predial – CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

Matéria publicada em 11/04/17 pela Revista Construir Mais do Portal do Sinduscon Goiás, com Flavio Eduardo Rios.

Construção Sustentável

Tecnologia hidráulica predial

 O mundo evolui e novas tecnologias estão aí, incentivando o mercado da construção civil a adotá-las. Os projetos hidrossanitários também avançam nesta direção, provocados pela crise mundial energética.

Como sabemos, para a segurança hídrica dos usuários de edifícios multifamiliares, são projetados sistemas de distribuição de água potável, proveniente de concessionárias e para complementar o conforto dos banhos, os sistemas termo hidráulicos, ou seja, o aquecimento de água através de fontes renováveis como solar, aliado a outras fontes para apoio, como o conjugado a gás ou trocador de calor elétrico.

Estes sistemas devem ser eficientes, seguros e centralizados. Para isso, deve ocorrer o gerenciamento do consumo através da cobrança justa por meio de medidores individuais. Por parte dos usuários, constata-se a conscientização do consumo e da redução de desperdícios mediante o uso racional da água, elemento finito disponível na natureza, mas quando em abundância, está longe dos centros urbanos.

Temos tecnologia para hidrômetros confiáveis que possam operar com água potável fria e quente e até mesmo para água não potável, como o reuso de águas cinzas, provenientes de um tratamento após a utilização em chuveiros e lavatórios, ou o aproveitamento de água da chuva colhida em telhados.

Não há obstáculos tecnológicos ou técnicos para o desenvolvimento desses sistemas, entretanto deve haver a regulamentação pelas concessionárias através de normativas, que permitam ao Inmetro homologar esses produtos para os outros usos além da água fria.

Muitas concessionárias já aboliram o preconceito ou resistência a estes procedimentos e regulamentaram o uso, como a Caesb e Sabesp.

Havendo a medição individual de água para cada um desses sistemas, o condomínio poderá fazer o rateio proporcional dos custos de manutenção e operação dos sistemas de aquecimento ou de reuso.

Atualmente em Goiânia, em sistemas já implantados com medidor não cadastrado na concessionária, o custo da água é rateado pelo próprio condomínio. Entretanto, o valor do m3 pode chegar ao dobro do valor do m3 que seria cobrado se individualizado, além do custo do aquecimento.

Torna-se então urgente a necessidade do entendimento e anuência da concessionária a fim de viabilizar estes inteligentes sistemas. Para tanto, o Sinduscon-GO tem provocado encontros com a Saneago no sentido de cobrar uma resolução efetiva para essa demanda do setor. Esperamos que em breve tenhamos um retorno positivo da concessionária, trazendo assim a viabilidade para a medição individualizada dos diversos sistemas de água.

FLÁVIO EDUARDO RIOS,

engenheiro civil (UFG-79), diretor proprietário da

Hidrante Engenharia e Hidrante Consultoria

Acesse:

http://www.construirmais.com/revista/index.php/construcao-sustentavel/295-tecnologia-hidraulica-predial

Os comentários estão agora fechados para este artigo.